Convocados da Seleção para a Copa do Mundo 2022: veja a lista completa de Tite


O técnico Tite anunciou nesta segunda-feira, na sede da CBF, no Rio de Janeiro, os 26 jogadores que vão defender a seleção brasileira na Copa do Mundo de 2022. A grande surpresa foi a presença do lateral-direito Daniel Alves, que está no Pumas, do México.

 

O defensor, de 39 anos, havia ficado fora da convocação para os amistosos contra Gana e Tunísia, os últimos antes da Copa.

 

Confira os convocados:
Goleiros
Alisson – Liverpool
Ederson – Manchester City
Weverton – Palmeiras
Laterais
Danilo – Juventus
Alex Sandro – Juventus
Daniel Alves – Pumas
Alex Telles – Sevilla
Zagueiros
Militão – Real Madrid
Marquinhos – PSG
Thiago Silva – Chelsea
Bremer – Juventus
Meio-campistas
Bruno Guimarães – Newcastle
Casemiro – Manchester United
Fabinho – Liverpool
Fred – Manchester United
Paquetá – West Ham
Everton Ribeiro – Flamengo
Atacantes
Neymar – PSG
Vinicius Júnior – Real Madrid
Antony – Manchester United
Rodrygo – Real Madrid
Raphinha – Barcelona
Richarlison – Tottenham
Pedro – Flamengo
Gabriel Jesus – Arsenal
Gabriel Martinelli – Arsenal
Outros dois jogadores que também não foram chamados para os jogos contra Gana e Tunísia e estão na lista são os atacantes Gabriel Jesus e Gabriel Martinelli, ambos do Arsenal.

 

– Tem sido um dos destaques do Arsenal na primeira colocação da Premier League, um jogador do lance individual, da transição em velocidade. Teve duas convocações e se manteve em alto nível. Poderiam ter outros convocados e existem argumentos para outros. São escolhas. Dentro das características da equipe, do modelo, precisamos de jogadores agudos pelos lados. Assim a equipe se estruturou. É o caso do Martinelli – disse Tite.

Os convocados pelo treinador vão se apresentar na próxima segunda-feira, em Turim, onde a Seleção permanecerá até o dia 19, quando seguirá para o Catar.

 

A Copa do Mundo 2022 será disputada de 20 de novembro a 18 de dezembro. A Seleção estreará no dia 24, contra a Sérvia. Os outros dois times do Grupo G são Suíça e Camarões.

 

 

Situação física de Richarlison

– Temos uma responsabilidade de transparência e passar informações verdadeiras a vocês. Não só o Richarlison, não só com o Dani, a orientação foi feita com todos os atletas no aspecto de melhoria. Não só os convocados. Eu sei o quanto de humano tem a expectativa, mas antes disso o respeito nosso. E a orientação a todos eles. É do Alexsandro, do Telles, do Arana, que eu conversei ontem. De ter esta conduta, que ela seja com equidade a todos.

 

Mais sobre Daniel Alves
– Um acréscimo na parte técnica e tática. A qualidade técnica e individual que o Dani Alves empresta neste quesito de criação é impressionante, para ser um organizador, um articulador. Não temos nele um jogador de 60, 70 metros de ida e volta. Esta é a função dele, fora outras virtudes. Como capitão (o Cesar Sampaio) pode falar.

 

– Não quer fazer uma pergunta tua, e não pegar o gancho… por que, que referência é o Twitter com os milhões de torcedores que temos? Não vim para agradar quem está nas mídias sociais, que não sei qual percentual é este público em relação ao brasileiro. Respeito opiniões divergentes e não estou aqui para convencer a todos. Não tenho esta pretensão. Só quero passar dados para que as pessoas façam sua análise e democraticamente criem sua opinião. Todos têm meu respeito, mesmo esta parcela diminuta. São 220 milhões (de brasileiros)? Respeito, sim.

 

Sobre os atacantes convocados
– Eu quero bater em uma tecla de equilíbrio, ele é fundamental. Na vida, não só no esporte. Há uma geração de atletas de alto nível, que estão se convocando. Eles estão buscando, com desempenho alto. Há uma versatilidade e priorizamos atletas importantes no meio para frente, mas não foge da ideia de equipe equilibrada. Para vencer em alto nível precisa de criação e gol. Isto não quer dizer que consistência defensiva não gera o ponto de equilíbrio para vencer. O bom momento deles gerou a convocação.

 

 

Lesão de Coutinho
– A gente tem que premiar e valorizar principalmente a competição em alto nível e quem foi chamado. A informação já veio lá atrás, vimos todos os jogos no fim de semana, de todos os convocáveis, para ter as informações e uma definição. O pior é quando o cara machuca e não pode brigar por uma vaga. A experiência de um atleta que parou com 27 anos e precisou abrir uma loja de artigos esportivos para fazer um concurso público para lecionar, porque a vida me tirou a chance de ser atleta. Queria o Couto, o Arana, quem mais ficou fora por lesão… Diego Carlos, uma série de outros atletas que tiveram. Tal qual os que não foram convocados pelo aspecto técnico, fica o respeito e lastimar.

 

As dúvidas finais na lista
– Não sei (quanto 2018 influenciou na lista). Alguma coisa incorporei, mas é cruel comparar as situações. Esquece Adenor, sem a campanha de 2018 não seria convidado a permanecer. O desempenho trouxe a chance de continuar o trabalho. Os atletas, com este trabalho todo nas diferentes áreas, dá consistência. O trabalho com base… podem me chamar de demagogo, mas vou fazer o que a minha racionalidade manda. O trabalho todo refletido, com o crescimento dos atletas dá chance de responder se somos uma das favoritas na Copa. E eu tenho gratidão a isso.

 

O peso de estreantes na lista
– Experiência conta, assim como conta o momento, como conta a capacidade de concentração do atleta. Uma série de fatores são levados em consideração. A carreira toda, o nível que se mantém. O Éverton Ribeiro retomou e tem a consistência do 10. Quando voltou dos Emirados já tinha a expectativa. Temos este aspecto, tem 32 anos, mas acho que a primeira Copa do Mundo. Jogos em alto nível, final de Libertadores, de Mundial, de Copa do Brasil, jogos de alto nível na Europa. Os treinamentos… na Juventus, tinha 15 ou 16 atletas de seleção. A experiência é muito relativizada.

 

Favoritismo na Copa
– Não posso me reportar ao que vem de fora. Estamos focados em fazer o melhor trabalho possível. Com quatro anos de trabalho, ele fica muito mais consistente. Este é o que o período nos dá. Talvez o desempenho dos atletas tenha dado esta relação com o torcedor. Vejo em um crescente, em uma expectativa boa. Sempre são colocadas três ou quatro seleções no mais alto nível.

 

E o torneio tem características específicas, principalmente com um jogo só a margem de erro fica pequena. Talvez mais ainda do que a Copa do Brasil, com jogos ida e volta. Mundial é um jogo só. O Juninho e o César vivenciaram isto dentro de campo. Mas a gente assume que o Brasil, sim, é um dos favoritos, e minha opinião é de que sim, é um dos.

 

Mudar time de acordo com adversário
– Existem duas formas que temos de atuar, com dois atacantes de flanco, com Paquetá do lado, segundo meio-campista mais na frente. E tem peças de reposição com características parecidas. Não acredito em tirar de zona de conforto, acredito colocar em zona de confiança e desafiar a ser melhor. Ninguém vai tirar de zona de confiança.

 

– O que trouxemos, dar confiança e desafiar em alto nível. Mas pedir para fazer uma função que não exerce no clube, aí é professor lampadinha, Pardal… e eu já passei (risos).

 

Qual setor do time mais o preocupa e a escolha de Bremer
– A carreira do Bremer e seu desempenho em alto nível no Torino e Juventus o chancelaram. Talvez a gente não tenha olhado com a devida atenção já antes. Veio com segurança impressionante. Atleta de alto nível, esta foi a geradora, e a concorrência que ele tem, normal e natural.

 

– Sobre os setores, em termos defensivos temos jogadores versáteis. O Danilo ontem jogou de zagueiro e pode fazer a função como lateral e a construção. O Militão, também. Temos jogadores versáteis na defesa, e na frente temos jogadores com cada vez mais desempenho nos seus clubes e os chancelam a convocar mais atletas do meio para frente pelo momento que vivem. A geração criou isso. Uma equipe equilibrada, mas qualitativa. A qualidade dos atletas permite estas escolhas.

 

Seleção está pronta?
– Nós conversamos um pouco a respeito em outra reportagem. Quatro aspectos são fundamentais: o mais importante é a qualidade técnica, a parte física, da saúde, a parte tática e o aspecto mental. Atletas de alto nível trabalham sob pressão, técnicos trabalham sob pressão. Tem um ditado que técnico do Brasil é condenado a vencer. Tu trabalha com este estigma, esta pressão.

 

A Rebeca (Andrade, ginasta brasileira) deu uma entrevista sensacional, que ela vê as adversárias, mas fica mais focada no seu trabalho, seus movimentos, porque ali é uma variável que ela não domina. Talvez a Rebeca nesta manifestação pode reproduzir o que é uma pressão enorme, mas que todos de alto nível temos de absorver e ficar focados no nosso trabalho.

 

Mais preparada que 2018?
– Sim, mas não deve ser comparado. Aquele era um ciclo de recuperação, hoje é um ciclo inteiro de quatro anos. Injusto com toda a situação. Recupera, pega na sexta colocação, com um terço da competição… agora é outra situação, ver mais aspectos táticos, ver mais atletas, ter mais contato. Aqueles dois anos agora contam a favor, mas comparar isso é como comparar gerações. Agora sim, chega com todo este processo de trabalho muito mais tranquilo, mais em paz, confiante, sim, pelos quatro anos de trabalho que tivemos, associados aos dois. Não estou dizendo que vai ganhar, mas chega mais forte e estruturado. Inclusive humanamente mais entrosado. Os atletas sabem como a gente trabalha. Sim, chega mais forte, mais firme, mais consistente para o Mundial.

 

Jogadores que ficaram fora
– Uma vez o pessoal colocou qual era o conselho que eu daria… não dou conselho. A resposta que dou é: quando estivemos juntos, cada um se sentiu… e o comportamento da comissão técnica com eles. É difícil, mas há um respeito profissional e humano com cada um deles. Mas mais do que falar publicamente, nosso comportamento no dia a dia com cada um deles. Ali você vê se te dão atenção. Escolhas te trazem o peso de deixar alguém fora, respeitando.

 

Apenas três jogadores do futebol brasileiro convocados
– A pergunta é ampla e remete a um aspecto estrutural do futebol de uma maneira geral, investimento financeiro… precisaríamos de simpósios para falar destes termos. Sobre desigualdade, precisamos ter cuidado com os cortes. Dos atletas que estão aqui, são nascidos de quantas regiões do Brasil? Podemos pegar este recorte.

 

Qual o clube de origem de onde esteve? Há uma série de recortes que podemos pegar para que a gente possa, enfim… entender. Fiquei com esta curiosidade, quantas regiões do Brasil estão representadas? Não tem um pré-requisito. Fico muito à vontade para falar, não tenho a crença irracional de que fizemos a escolha de todos os melhores. Se a gente de dez, acertar sete, vamos ser competentes. E estamos fazendo o acompanhamento.

 

Futuro fora da Seleção
– Falo com muita paz, está na hora de outros líderes estarem aqui. Assim se forma o futebol. Depois tem que vir o outro treinador e fazer uma grande escolha. É convicção e paz. Não tem porque ganha e vai rever. Não vai rever, vai torcer pelo outro. Vai ter um pouco de ciúmes (risos), mas o futebol precisa criar novos técnicos, novas estruturas. Isto talvez seja o maior legado que eu orgulhosamente deixe para a sequência.

 

Relação que criou com os jogadores
– A gente mostra que a gente é um ser humano, que erra e quando erra reconhece com eles. A gente procura estudar bastante, os aspectos fisiológicos, médicos, técnicos e táticos, a organização, logística, direcionamento. Quando a relação de lealdade se estabelece, o conjunto fica mais forte.

 

O atleta precisa saber que a comissão sabe que precisa de uma conduta, com transparência, fala pela frente. Sem dois discursos. Sem modificar comportamento com atleta mais jovem ou mais experiente. A relação toda do ser humano, da competência profissional, da conduta, do ser duro, mas falar pela frente. De não expor de forma pública, porque vai dar componentes legais para debates, mas vai solucionar o problema? O conjunto da obra é importante para ter respeito, consideração, para atingir o alto nível.

 

Arbitragem na Copa do Mundo
– Há, sim, uma atenção em relação à arbitragem. O Matheus fala fluentemente inglês, teve recentemente uma conferência juntamente para acompanhar o que a Fifa falou sobre as árbitros.

 

Print Friendly, PDF & Email

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

MENU