‘Ele me disse que a América estava sob ataque’: veja como George W. Bush e outros receberam a notícia dos atentados de 11 de setembro


Os ataques do dia 11 de setembro de 2001 foram muito marcantes e, por isso, é comum que as pessoas se lembrem minuciosamente de como receberam a notícia dos ataques.

 

Para as pessoas públicas ou profissionais de imprensa não foi diferente: aqueles momentos foram de grande comoção e, por isso, são marcantes.

 

 

Veja abaixo como os políticos George W. Bush e Fernando Henrique Cardoso, o diplomata Celso Lafer, os jornalistas Jorge Pontual e Sandra Cohen, e a atriz Luiza Brunet (que estava em Nova York) souberam dos ataques.

 

 

George W. Bush, então presidente dos EUA
George W. Bush era o presidente dos EUA em setembro de 2001. Ele havia visitado uma escola na Flórida para conversar com crianças de 8 anos. Bush tinha preparado um discurso sobre evasão escolar.

 

 

Antes de o presidente entrar na sala, a encarregada de segurança da Casa Branca afirmou que um avião havia colidido com uma das torres do World Trade Center. No entanto, ainda se pensava que era um avião pequeno, poderia ser apenas um acidente.

 

 

O presidente foi ler um livro com as crianças. Pouco depois, o segundo avião atingiu a outra torre.

 

 

A comitiva voltou ao aeroporto e entrou no avião presidencial. A decisão foi não voltar a Washington DC naquele momento —a Casa Branca poderia ser um alvo. O avião foi primeiro para uma base no estado da Louisiana. De lá, foi para uma outra base no Nebraska, onde havia uma reunião por videochamada. Finalmente, a comitiva voltou a Washigton DC. No voo, era possível ver a fumaça que saía do prédio do Pentágono, a sede das Forças Armadas dos EUA. Na noite daquele dia, ele fez um discurso da Casa Branca no qual deixou claro que o país iria responder.

 

 

Fernando Henrique Cardoso, então presidente do Brasil

Fernando Henrique Cardoso era o presidente do Brasil em 2001. Ele relatou, em 2011, como foi aquele dia, num vídeo para um canal de Youtube dedicado a divulgar seu trabalho.

 

 

“Estava no Palácio do Alvorada. Pela manhã, recebi uma comissão vinda da FGV do Rio, os diretores da Fundação. Quando, de repente, toca o telefone, era a minha assessora de imprensa [e disse]: ‘Olha, estão bombardeando as torres nos EUA’. Eu liguei a televisão e vi, pude ver o segundo avião [atingindo a torre]. Foi uma sensação terrível, [pensei] ‘o que será que está acontecendo?’. Dei declarações em seguida [eu disse] ‘pode ser o começo de uma Terceira Guerra’, porque não se sabia do que se tratava. De fato, não foi uma Terceira Guerra, no sentido clássico, mas foi uma guerra ao terror, os americanos logo lançaram esse termo.”

 

 

 

 

 

Celso Lafer era, então, o ministro de Relações Exteriores do governo do Brasil. “No dia 11, estava em São Paulo, participando de um seminário na Federação das Indústrias”, ele diz.

 

 

O tema para a diplomacia brasileira naquela época era majoritariamente comercial: acordos com a União Europeia, negociações na Organização Mundial do Comércio etc.

 

 

Depois da reunião, Lafer foi falar com jornalistas que tinham ido cobrir. Nesse momento, um auxiliar dele se aproximou e o puxou pelo paletó. “Eu perguntei a ele se ele estava incomodado com algo que eu havia dito. Ele respondeu que não estava incomodado, mas que algo de grande magnitude estava ocorrendo e que era preciso suspender a entrevista para ver pela TV”.

 

 

 

Como havia jornalistas no prédio da Fiesp, ele precisou falar com a imprensa pouco depois de ver os ataques pela TV, mesmo sem consultar a presidência em Brasília.

 

 

“Eu disse em um primeiro momento que estávamos diante de uma mudança significativa. Nessas minhas considerações eu mencionei uma frase do [Pierre-Joseph] Proudhon (político francês do século 19) que dizia que a fecundidade do inesperado surpreende a prudência do maior estadista, e que o inesperado tinha uma série de desdobramentos. Tinha mudado o eixo diplomático do mundo”, diz Lafer.

 

 

Foi sobre esse tema a primeira conversa que ele teve com o presidente Fernando Henrique Cardoso: o tema do mundo diplomático passaria a ser segurança, e não comércio, e isso implicava uma dificuldade para a estratégia brasileira naquele momento.

 

 

Pouco depois do 11 de setembro, chegou-se a falar que havia atividade terrorista na Tríplice Fronteira. “Mandamos fazer uma apuração, a melhor possível, mas não detectamos nenhuma rede terrorista que atuasse a partir de lá”, diz Lafer.

 

 

Jorge Pontual, jornalista

 

Jorge Pontual, do escritório da Globo em Nova York, embarcou na manhã de 11 de setembro em um avião rumo a Washington DC, onde ele ia cobrir uma manifestação contra o FMI, como conta ao site Memória Globo.

 

 

O avião não decolou: minutos antes, a primeira torre tinha sido atingida.

De volta ao saguão do aeroporto, Pontual encontrou o cinegrafista Hélio Alvarez. Os dois conseguiram voltar a Manhattan de carona em um carro de polícia.

 

Print Friendly, PDF & Email

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

MENU