Caso Henry: novos advogados de Monique dizem que ela foi agredida por Dr. Jairinho


A nova defesa de Monique Medeiros, mãe do menino Henry Borel, diz que ela sofria violência física do vereador Dr. Jairinho. Os advogados querem que ela preste um novo depoimento à polícia.

 

 

Segundo eles, há precedente para ela ser ouvida novamente, porque outras testemunhas também prestaram um segundo depoimento à polícia.

 

 

Monique está presa no Instituto Penal Ismael Sirieiro, em Niterói, na Região Metropolitana do RJ. A reportagem  obteve fotos de registro de entrada de Monique e de Dr. Jairinho no sistema penitenciário do Rio.

 

Na quarta-feira (14), os novos advogados de Monique realizaram o primeiro pedido de novo depoimento. A polícia ainda não respondeu se convocará a mãe de Henry para depor novamente.

 

“O delegado Henrique (Damasceno) vai analisar se é necessário ou não uma nova oitiva da Monique para poder apresentar seu relatório final. Isso vai ser decidido provavelmente na semana que vem, mas nossa expectativa é de encerrar esse inquérito dentro de pouco tempo porque nós julgamos termos conseguido colher provas muito contundentes, mais que suficientes pra que isso seja levado a Justiça”, afirmou o delegado Antenor Lopes, diretor de Polícia da Capital do Rio.

 

Henry Borel morreu em 8 de março. No último dia 8, Jairinho e Monique foram presos por suspeita de serem os responsáveis pela morte do menino.

 

A nota dos advogados de Monique:

“Dentro do objetivo de atuar com a verdade, a defesa da Sra. Monique Medeiros, insiste na necessidade da sua nova audição pelo senhor delegado de polícia que preside o inquérito e faz um público apelo, para a referida autoridade policial, neste sentido. Se várias pessoas foram ouvidas novamente, não tem sentido deixar de ouvir Monique. Logo ela que tanto tem a esclarecer. Não crê a defesa que exista algum motivo oculto para “calar Monique” ou não se buscar a verdade por completo.

 

 

A defesa observou, do estudo dos novos elementos do Inquérito, que há repetição de um comportamento padrão de violência contra mulheres e crianças. Neste lamentável caso, a diferença foi a morte da criança”

Print Friendly, PDF & Email

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

MENU