TST determina que 90% dos petroleiros da Petrobras sigam trabalhando durante greve


O ministro Ives Gandra Filho, do Tribunal Superior do Trabalho (TST), determinou nesta terça-feira (4) que 90% dos petroleiros da Petrobras continuem trabalhando durante a greve iniciada no sábado (1º).

A decisão atende parcialmente a um pedido da Petrobras – a estatal queria que o TST determinasse a suspensão da greve.
Sindicatos que descumprirem a norma terão de pagar multas entre R$ 250 mil e R$ 500 mil, a depender do porte de cada entidade.

Na decisão, Gandra Filho afirmou que há “risco de desabastecimento em âmbito nacional”. Para ele, a greve é “carente de motivação” porque foi deflagrada enquanto o acordo coletivo da categoria ainda estava vigente.

Greve contra demissões
Os petroleiros cobram a suspensão das demissões na Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados do Paraná (Fafen) previstas para ocorrer no próximo dia 14. Segundo a FUP, os desligamentos devem afetar mais de mil famílias.

Os petroleiros também querem o estabelecimento de negociação com a Petrobras para cumprimento do acordo coletivo – que, segundo a Federação Única dos Petroleiros (FUP), vem sendo desrespeitado.

Em nota divulgada no fim de semana, a Petrobras afirmou que considera o movimento “descabido”, e que tomou as providências necessárias para garantir a continuidade da produção, do processamento e do abastecimento dos derivados de petróleo e gás.

Print Friendly, PDF & Email

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

MENU