Projeto desenvolve estratégias lúdicas para ensinar através da arte alunos de escolas públicas do interior do Rio


Projeto já desenvolvido na cidade do Rio, chegou aos municípios da Região Serrana, Noroeste Fluminense, além de cidades do Centro Sul e Região Metropolitana, em setembro.

 

Um projeto do Instituto Brasileiro de Música e Educação (IBME) tem levado arte e cultura a alunos da rede pública de ensino de cidades do interior do Rio. A iniciativa ‘Sinta o Som’ chegou a alguns municípios do interior em setembro.

 

 

O programa que já é desenvolvido, há anos, na cidade do Rio, agora também está disponível para alunos de Areal e Petrópolis, na Região Serrana, Bom Jesus de Itabapoana, Miracema, Santo Antônio de Pádua, Porciúncula e São José de Ubá, no Noroeste Fluminense, além de Paraíba do Sul, no Centro Sul, e Duque de Caxias, na Região Metropolitana.

 

 

De acordo com o IBME, a iniciativa chega a essas cidades através de um material pedagógico, que sugere e orienta as atividades lúdicas, ampliadas e recriadas pelos professores participantes.

 

 

O material é voltado para alunos do ensino fundamental e da educação infantil e tem sido repassado aos professores através de encontros em formato remoto, pela internet, devido à pandemia.

 

 

“Para o fim do semestre, mesmo que virtualmente, desejamos que a experiência continuada do Sinta o Som seja comemorada em grande encontro entre professores, alunos e todos os envolvidos que nos ajudaram a realizar este sonho. ”, declara a presiente do IBME, Valéria Seabra de Chiara.

 

 

Compartilhar estratégias educacionais a partir das artes, com música, contação de história, jogos teatrais, dança, produção de instrumentos musicais reciclados, tarefas rítmicas, dentre outras categorias artísticas é o objetivo do projeto, que tem o patrocínio da Enel Distribuição Rio, por meio da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa e Lei Estadual de Incentivo à Cultura do Rio de Janeiro.

 

 

A ideia é transformar o dia a dia da aula do professor e fortalecer a aprendizagem dos alunos da rede pública de ensino.

 

 

“Como sabemos, o processo de aprendizagem está diretamente ligado à afetividade e às emoções. A experiência da arte é o veículo que move as emoções, e isso marca significativamente o ser humano e se desdobra em aprendizagens cheias de sentidos, memórias e conexões”, afirma a coordenadora do projeto, Moana Martins.

 

Conheça as categorias artísticas do projeto
Os brinquedos cantados, as músicas e os gestos com o corpo, de acordo com o IBME, estimulam a consciência fonológica. “A identificação dos timbres e da fonte sonora é indispensável para que as crianças desenvolvam a sensibilidade aguçada na percepção dos sons das sílabas, das palavras, aprimorando a compreensão das frases e do texto”, explica o instituto.

 

 

Nos jogos teatrais, na contação de história e em outras atividades de estímulo à criatividade, a intenção é explorar as estratégias do desenvolvimento da percepção para que os alunos não apenas entendam o som, mas também aprimorem a fala, ampliem o vocabulário e as demais habilidades.

 

 

As tarefas rítmicas com palmas, pés e outras batidas no corpo ou nos instrumentos são propostas do desafio da sincronização. “O treinamento rítmico promove o desenvolvimento da coordenação motora, que faz conexão dinâmica com as áreas importantes para a aprendizagem”.

 

 

Já a produção de instrumentos musicais a partir do reaproveitamento de materiais, além de ser uma solução viável para que todos os alunos construam seus próprios instrumentos, estimulando a criatividade e a imaginação, promove a conscientização sobre a preservação ambiental, incentivando o debate sobre a reciclagem e a atenção ao descarte de materiais.

 

O projeto
O Instituto Brasileiro de Música e Educação nasceu em 2011 no Morro da Providência com a missão de contribuir com a transformação social por meio da música e da educação. Dentre diversos projetos criados pelo IBME, está o Sinta o Som, desenvolvido em 2018.

 

 

De acordo com o instituto, o projeto já realizou laboratórios com 910 professores da rede municipal de Educação do Rio de Janeiro. Em 2020 essas ações se ampliaram para a participação de todos os professores do 1ª ano, da Educação Especial e da sala de leitura. Atualmente mais de 6 mil professores da rede carioca de ensino participam ativamente do Sinta o Som.

 

 

Ainda segundo o instituto, o programa mantém um laboratório permanente de estudos e criação pedagógica, alinhado às pesquisas de universidades do mundo inteiro sobre as práticas envolvendo a música e a arte e a sua correlação com a melhoria e fluxo das funções executivas do cérebro para um melhor desempenho acadêmico dos alunos.

 

 

As diretrizes da Base Nacional Comum Curricular também são norteadoras no desenvolvimento das propostas do Sinta o Som.

Print Friendly, PDF & Email

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.