Polícia Civil prende mais de 400 pessoas em ação contra roubos de carga e de veículos, e suspeitos de latrocínio no RJ


Quatro suspeitos foram mortos durante a ação, segundo a polícia. Subsecretário Operacional da corporação afirma que foi a maior operação da história da Polícia Civil do RJ.

 

A Polícia Civil foi às ruas do Rio de Janeiro na manhã desta terça-feira (25) para cumprir centenas de mandados de prisão contra foragidos da Justiça por crimes de roubos e receptação de produtos roubados.

 

A operação Espoliador III terminou foi dada como encerrada pouco depois das 17h, e 416 suspeitos foram presos. Outros quatro, segundo a polícia, morreram em confronto com agentes – três em Resende, no Sul do Estado, e um em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.

 

Mais de 500 policiais participaram da ação. A polícia afirma que boa parte dos roubos era praticado por traficantes que exploram a venda de drogas em favelas. Para obter mais lucro, os investigadores sustentam que eles emprestam armas para outros criminosos, que então roubam cargas, de veículos, pedestres, residências, bancos e comércios.

 

 

De acordo com Curi, a operação desta terça foi a maior da história da Polícia Civil fluminense.

 

Crime organizado domina roubo de veículos

Dados de investigação e de inteligência indicam que o crime organizado no Rio de Janeiro –considerado aí tráfico e milícia – é responsável por pelo menos 79% dos roubos de veículos na capital fluminense; 73% na Baixada e 84% em Niterói e São Gonçalo.

 

Em relação aos roubos de cargas, o crime organizado tem participação em pelo menos 65% dos roubos na capital, 64% na Baixada e 62% em Niterói e São Gonçalo.

 

 

A ação de hoje também visa a prisão de receptadores, que são responsáveis por receber o produto dos roubos e “estimular essa prática criminosa”. Os agentes também foram atrás de autores de latrocínios – roubo seguido de morte.

Print Friendly, PDF & Email

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.