MPF denuncia Jacob Barata e desembargador Mário Guimarães por corrupção, lavagem e evasão de divisas


O Ministério Público Federal (MPF) apresentou, nesta quarta-feira (15), à Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ), uma denúncia contra o empresário Jacob Barata Filho — conhecido como o Rei dos Ônibus — e contra o desembargador do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ) Mário Guimarães Neto.

O MPF afirma que ambos têm participação em um esquema de corrupção ativa e passiva, lavagem de dinheiro e evasão de divisas no setor de transportes públicos no RJ.

 

Também constam como denunciados a esposa do magistrado, a advogada Gláucia Iorio de Araújo Guimarães; os empresários Miguel Iskin e José Carlos Reis Lavouras; o presidente do Conselho Superior do Sindicato Rio Ônibus, João Augusto Morais Monteiro; e o doleiro Carlos Eduardo Caminha Garibe.

 

A defesa de Barata informou, no início da tarde, que não se pronunciaria porque “não teve acesso à denúncia”.

 

 

O G1 ainda não conseguiu contato com a defesa dos outros denunciados.

O MPF requisitou também o pagamento solidário, pelos envolvidos, de indenização por danos morais coletivos no valor de R$ 11,5 milhões, “correspondente ao montante de dinheiro envolvido nas negociações criminosas”.

 

Afastamento e perda da função pública
Guimarães Neto tinha sido afastado preventivamente em abril deste ano, depois que uma operação encontrou cerca de R$ 50 mil em um cofre em um carro ligado a um desembargador.

 

No documento enviado ao ministro-relator Félix Fischer, a subprocuradora-geral da República Lindôra Araújo requereu a prorrogação do afastamento cautelar até o trânsito em julgado do processo, “em razão do risco de que o investigado intimide testemunhas e use sua influência para macular provas já existentes ou prejudicar as investigações”.

 

O MPF pediu ainda, em caso de condenação, a decretação da perda da função pública do magistrado.Afastamento e perda da função pública
Guimarães Neto tinha sido afastado preventivamente em abril deste ano, depois que uma operação encontrou cerca de R$ 50 mil em um cofre em um carro ligado a um desembargador.

 

No documento enviado ao ministro-relator Félix Fischer, a subprocuradora-geral da República Lindôra Araújo requereu a prorrogação do afastamento cautelar até o trânsito em julgado do processo, “em razão do risco de que o investigado intimide testemunhas e use sua influência para macular provas já existentes ou prejudicar as investigações”.

 

O MPF pediu ainda, em caso de condenação, a decretação da perda da função pública do magistrado.Afastamento e perda da função pública
Guimarães Neto tinha sido afastado preventivamente em abril deste ano, depois que uma operação encontrou cerca de R$ 50 mil em um cofre em um carro ligado a um desembargador.

 

No documento enviado ao ministro-relator Félix Fischer, a subprocuradora-geral da República Lindôra Araújo requereu a prorrogação do afastamento cautelar até o trânsito em julgado do processo, “em razão do risco de que o investigado intimide testemunhas e use sua influência para macular provas já existentes ou prejudicar as investigações”.

 

O MPF pediu ainda, em caso de condenação, a decretação da perda da função pública do magistrado.

Print Friendly, PDF & Email

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.