Comerciantes culpam Prefeitura por ‘caos’ no Centro; lojas fechadas e dívidas


Com expressão de preocupação, um grupo de comerciantes de Campos procurou a Câmara Municipal nesta quarta-feira (27) com um pedido de ‘socorro’ aos Vereadores, visto que o novo sistema de transporte público já forçou muitos estabelecimentos a fechar, devido a dificuldade dos moradores de bairros e distritos para chegar ao Centro e, por consequência, diminuição drástica do número de consumidores. Os comerciantes se queixam do prefeito Rafael Diniz, com quem se reuniram no último dia 12. Segundo eles, fizeram um pedido ao prefeito no sentido de que as vans voltem a parar no Centro neste fim de ano, até o dia 31/12, período no qual as vendas crescem, mas sequer receberam uma resposta até esta quarta-feira.


“O comércio do Centro de Campos é um dos setores mais prejudicados com o nosso sistema de transporte público implantado pela Prefeitura de Campos. Muitas lojas já fecharam e muitas outras vão fechar, caso o transporte continue sem as vans na área central. Estamos aqui para pedir aos vereadores que façam uma interlocução com o prefeito”, afirma o comerciante Nilson Athaíde, que estava acompanhado dos comerciantes Marcos Fadul, Expedito Cardoso, Getúlio Almeida, Cacá Dauaire e Carlinhos do Farol. Eles são membros da Associação de Comerciantes e Amigos da Rua João Pessoa (Carjopa) e também integram um grupo de comerciantes e empresários que estão se unindo para propor soluções para a situação caótica do Centro.

Nilson Athaíde afirma também que há comerciantes endividados e com problemas de saúde em virtude da situação de seus negócios após o novo sistema de transporte público, que permite apenas que os ônibus circulem no Centro. “A situação do Centro é emergencial. Por que tirar as vans do Centro se elas são legalizadas? É um absurdo as pessoas ficarem em tendas, expostas ao sol e chuva. Nossos funcionários chegam atrasados. Toda cidade foi afetada. Os ônibus não dão conta”, afirma o comerciante.

COMERCIANTES QUEREM VANS EM TRÊS PONTOS

De acordo com os comerciantes, o principal pedido da pauta de reivindicações discutida com o prefeito Rafael Diniz, e que ficou sem resposta, diz respeito a três pontos de parada de vans no Centro: Avenida 7 de Setembro, entre as ruas do Ouvidor e Carlos de Lacerda; Ao lado da Igreja Boa Morte; e nas proximidades do Leão das Baterias.

“Queremos que o consumidor volte ao Centro neste fim de ano, não queremos voltar a bagunça. Queremos que o nosso sistema de transporte funcione e que atenda a demanda. Enquanto o sistema estiver passando por acertos, estamos pedindo ao prefeito Diniz que as vans voltem a atender o centro da cidade, pois a atual situação está matando o comércio. Isso é uma grande irresponsabilidade”, enfatizou Nilson Athaíde.

O grupo de comerciantes conversou com o vereador Igor Pereira. Eles também tentaram falar com o presidente Fred Machado. Receberam, segundo eles, a promessa de que na próxima segunda-feira haverá uma reunião com um membro da Procuradoria da Prefeitura para tratar do assunto.

“Basta andar pelo Centro para ver a quantidade de lojas fechadas. E outras vão ser fechadas até janeiro. O público não vem mais ao Centro. Não existe mobilidade sem transporte. E o tempo está passando, precisamos que o prefeito nos dê uma resposta urgente”, finalizou Nilson Athaíde.

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES ENTREGUE AO PREFEITO PELA CARJOPA

Campos dos Goytacazes, 12 de Novembro de 2019.

Ao Excelentíssimo Senhor Prefeito Rafael Diniz

Assunto: Reinvindicação Emergencial para sobrevivência do Centro Comercial de Campos dos Goytacazes

Senhor Prefeito,

O Natalé a época mais importante para o comércio de uma forma em geral. Devido à crise que os governos federal, estadual e municipal enfrentam, nosso segmento tem passado por significativos prejuízos. Atualmente, na área da abrangência da CARJOPA (Comerciantes e Amigos da Rua João Pessoa e Adjacências), estão em funcionamento aproximadamente 480 estabelecimentos, gerando cerca de 2.400 empregos.

Em reunião realizada no dia 15 de outubro do presente ano, com a participação de Diretores e Associados da CARJOPA, observou-se que, se nada for feito, cerca de 20% desses negócios deverão finalizar suas atividades a partir de janeiro de 2020,significando o encerramento de cerca de 100 empresas e 500 empregos. Mais estabelecimentos fechados representa a diminuição da circulação de recursos e consequentemente queda na arrecadação de tributos. Mais desempregados, subentende-se mais assistência que deverá ser feita por parte do governo municipal. Cada pessoa desempregada interfere na vida, em média de 4 pessoas, ou seja, 2.000 pessoas precisando de auxílio a mais dos cofres públicos.

Sabemos que, para reaquecermos a economia central, serão necessárias ações de curto, médio e longo prazo. Porém,em caráter urgente e emergencial, para os meses de novembro e dezembro, reivindicamos as seguintes medidas, a fim de evitarmos o pior Natal da história do comércio do Centro de Campos dos Goytacazes:

1) TRANSPORTTE PÚBLICO:Prioridade máxima, visto que é o transporte que permite trazer público ao centro da cidade. Solicita-se que, até a definitiva implantação do SERVIÇO DE TRANSPORTE COLETIVO ALIMENTADOR DE PASSAGEIROS, os ônibus e vans tenham os seguintes pontos de embarque e desembarque:

a) Passageiros vindos da Baixada, Turfe, Jockey Club, IPS e adjacências:

VANS: Av. Sete de Setembro (entre Rua do Ouvidor e Rua dos Andradas);

ÔNIBUS: Rua do Ouvidor, entre Aquidabam e Av. Sete de Setembro.

b) Passageiros vindos de Guarus, Travessão, Morro do Coco, Pecuária, Santa Cruz e adjacências:

VANS: Igreja da Boa Morte

ÔNIBUS: Beira Valão /Terminal

c) Passageiros vindos da região do Shopping Estrada, Tapera, Ururaí, Ponta da Lama e Adjacências:

VANS: Beira Valão (Leão das Baterias)

ÔNIBUS: Beira Valão/Terminal

2) CICLO-FAIXA DA AV. SETE DE SETEMBRO no trecho entre Rua do Ouvidor e Carlos de Lacerda, mudar trajeto dobrando na Rua do Ouvidor desembocando na Beira-Rio;

3) DECORAÇÃO DE NATAL: solicita-se que a decoração esteja pronta e colocada em pontos estratégicos até a primeira quinzena de novembro, a fim de chamar público e motivá-los às compras;

4) SEGURANÇA: solicita-se ordenamento das vias públicas (ciclistas) do centro, como bicicletas nas calçadas, camelôs e número de pedintes;

5) CORREÇÃO DAS CALÇADAS E CALHAS.

Concluímos que, caso as ações corretivas não sejamefetivadas, serão mais pessoas precisando de assistência na saúde, promoção social e outros setores da Prefeitura. Isso reflete-se em menos impostos arrecadados em prol do poder público municipal, famílias desamparadas e um caos total na economia da cidade!

Atenciosamente, Diretores e Associados da CARJOPA

Print Friendly, PDF & Email

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

MENU