‘Otimismo’, ‘cautela’ e ‘resultado esperado’: especialistas avaliam avanços nas pesquisas de vacinas contra a Covid


Testes preliminares mostram que as duas vacinas, uma britânica e uma chinesa, são seguras e induzem a resposta imune contra o novo coronavírus, Sars-Cov-2, que provoca a Covid-19.
Nesta segunda-feira (20), duas vacinas contra a Covid-19 – a de Oxford e da chinesa CanSino – apresentaram resultados positivos em estudos preliminares. Ambas apresentaram resposta imune ao vírus e bons índices de segurança.

 

Os resultados são dos ensaios clínicos ainda em fase preliminar (fase 1 e fase 2). É no ensaio de fase 3, com um número maior de participantes, que a eficácia da vacina é comprovada em uma população maior, antes de considerar sua comercialização em larga escala.

 

Abaixo, veja a avaliação de médicos e cientistas sobre quais as perspectivas que os resultados apontam.

 

“Ela tem o poder de produzir imunidade nas pessoas que tomaram a vacina. Mas, agora, neste momento, o que está sendo realizado inclusive com o Brasil participando, que é a fase 3, é que será a pesquisa decisiva para o uso em larguíssima escala da vacina. E aí entraríamos no que a gente chama a fase 4, que é a fase pós-comercialização”.

 

Jamal Suleiman, infectologista do Instituto Emílio Ribas, sobre a vacina de Oxford:
“É muito importante, porque isso é ciência, esse é o tempo da ciência. Então, os dados preliminares desse artigo que acabou de ser publicado online na Lancet, cujo autor, o primeiro deles inclusive, que é o Pedro, é um médico brasileiro, que se encontra lá, e por acaso é um ex-residente meu, então, é um prazer imenso tê-lo em um grupo tão importante quanto esse”, disse Jamal Suleiman.

 

“A vacina está muito mais adiantada em termos de pesquisa, de evolução, do que uma medicação”, disse o infectologista Alberto Chebabo.

 

“O mundo está vendo uma vacina ser desenvolvida em tempo recorde. A gente antes disso tinha a vacina da Mers desenvolvida em 4 anos. É claro que por falarmos de uma vacina de uma família de vírus, que já havia uma vacina, anterior, isso facilita. Tudo faz a gente ter mais otimismo, mas a gente continua tendo sim que ter cautela. Até chegar na fase final, fase 3, em que as pessoas tomem a vacina, a gente tem que ter muito cuidado, mas a comunidade científica de uma forma geral está bem otimista”, avalia Chrystina Barros, pesquisadora da UFRJ

 

Atila Iamarino, biólogo e divulgador científico

“Nós temos dois gargalos importantes. Primeiro, é garantir que esta vacina tenha eficácia e segurança. E isso a gente está avançando nos ensaios clínicos que estão se dando de uma forma célere. Por dois motivos, inicialmente porque nós estamos enfrentando uma pandemia inédita, então isso fez com que a gente tivesse a possibilidade de acelerar um pouco os estudos, mas, ao mesmo tempo, essa plataforma é uma plataforma que foi desenvolvida em um programa para enfrentamento dessas doenças como a gente chama de emergentes”, disse Marco Krieger, vice-presidente de produção e inovação em Saúde da Fundação Oswaldo Cruz.

 

 

“Só para resumir, nos últimos 20 anos, a gente teve três emergências de coronavírus, tivemos uma emergência do Influenza pandêmico, tivemos ebola na África, tivemos zika aqui no Brasil, e isso fez com que os atores de saúde global fizessem um investimento em plataformas que pudessem trazer essa resposta de forma célere”

 

 

Ariane Gomes, imunologista

“Bons resultados da vacina, mas novamente, resultados de fase I/II só dizem que a vacina induz uma resposta no organismo, o que era esperado visto que o vetor viral é bem imunogênico. Se esse resultado é relevante, só saberemos na fase III”, disse a imunologista Ariane Gomes.

Print Friendly, PDF & Email

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.