Diretor-geral do Hospital Gaffrée e Guinle, Fernando Ferry será o novo secretário de Estado de Saúde do RJ


Ele substitui Edmar Santos, exonerado após atrasos e denúncias de corrupção na construção de hospitais de campanha. Apesar do afastamento, Santos vai dirigir uma ‘comissão de notáveis’ no enfrentamento à pandemia do coronavírus.


O diretor-geral do Hospital Universitário Gaffrée Guinle, Fernando Ferry, será o novo secretário de Saúde do Estado do Rio de Janeiro, informou neste domingo (17) o governo estadual. Ele vai substituir Edmar Santos, exonerado após atrasos e denúncias nas obras dos hospitais de campanha para pacientes com Covid-19.

 

Clínico-geral e especialista em AIDS, Fernando Ferry atuava como diretor-geral do Hospital Universitário Gaffrée e Guinle e foi professor associado de Clínica Médica e Aids da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio).

 

A decisão foi anunciada após reunião de Ferry com o governador Wilson Witzel na tarde deste domingo.

Edmar Santos deixará o cargo na segunda-feira (18). Em nota, o governo informou que a saída foi motivada “por falhas na gestão de infraestrutura dos hospitais de campanha para atender as vítimas da Covid-19”

Apesar do afastamento, Santos vai dirigir uma “comissão de notáveis no enfrentamento à pandemia do coronavírus”.

Histórico do novo secretário
Fernando Raphael de Almeida Ferry tem 25 anos de experiência no atendimento a pacientes com HIV e foi o coordenador do primeiro mestrado de HIV/AIDS do Brasil. Trabalhou como professor e pesquisador na Unirio e como diretor-geral do Hospital Gafrée e Guinle.

 

Antes de se formar em Medicina pela Unirio, em 2000, trabalhou como Veterinário, com mestrado e doutorado em Parasitologia Veterinária.

 

Ferry ganhou notoriedade em setembro passado ao dirigir uma ambulância para ajudar a transferir pacientes vítimas do incêndio do Hospital Badim.
Na ocasião, ele disse que dirigiu a ambulância porque só tinha um motorista no hospital.

 

Durante sua gestão no Gafrée e Guinle, foi restaurada a antiga maternidade do hospital, que atualmente é voltada para gestante de alto risco. Também foi renovado o centro cirúrgico.

 

Em 2018, Ferry foi acusado por funcionários do hospital de furar a fila do Sistema de Centrais de Regulação (Sisreg) para favorecer indicações de pastores ligados ao prefeito Marcelo Crivella.

 

Em novembro passado, Ferry recebeu a medalha Tiradentes, da Alerj, por indicação da deputada estadual Marina Rocha (PMB-RJ).

Print Friendly, PDF & Email

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

MENU