RJ avalia ‘lockdown’ caso curva de casos de Covid siga sem controle e a população fure o isolamento


O secretário estadual de de Saúde do RJ, Edmar Santos, disse em entrevista ao RJ2 desta quarta-feira (29) que o estado pode adotar medidas ainda mais rígidas de isolamento social, como o chamado lockdown – um bloqueio total, inclusive de limites de cidades e divisas do estado.

Segundo ele, caso a curva de casos e mortes por coronavírus continue subindo de maneira descontrolada e a população siga desrespeitando a quarentena, o bloqueio é uma alternativa.

Pelo balanço divulgado pela própria secretaria até a tarde desta quarta-feira (29), o estado tinha 794 mortes e 8.869 casos de contágio confirmados.

 

“O colapso vai acontecer lá na frente, infelizmente. Não foi diferente em nenhum outro país, mesmo nos mais estruturados em termos de equipamento e de logística. É uma característica dessa epidemia, desse vírus”, prevê Santos.

Fila por leitos de UTI tem 333 pacientes
Nesta quarta, 333 pacientes suspeitos ou confirmados de coronavírus – internados numa emergência pública – aguardavam por um leito de UTI. São pessoas que esperam por um respirador – que pode fazer toda a diferença entre a vida e a morte.

 

Os casos confirmados de coronavírus no estado se aproximaram de 9 mil. É como se a população inteira de uma cidade do interior do estado – como Comendador Levy Gasparian – tivesse sido totalmente contaminada.

 

O governo do estado faz uma projeção assustadora para as próximas duas semanas. Haveria a necessidade de 21 mil leitos de enfermaria e 7 mil de UTI, só que a rede pública espera ter ao todo, entre enfermarias e UTIs, 3.400 leitos. Isso pode gerar um déficit de 25 mil vagas nos hospitais.

 

Hospitais de campanha
Dos nove hospitais de campanha prometidos pelo estado, apenas um foi inaugurado até agora por um grupo de empresários, o do Leblon. O governo espera abrir outros três nas próximas semanas. Já os outros cinco hospitais devem ser inaugurados sem respiradores para as UTIs.

Print Friendly, PDF & Email

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

MENU