MPRJ denuncia grupos responsáveis pelo tráfico em SFI


O Ministério Público do Estado do Rio de janeiro (MPRJ), por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO/MPRJ), obteve a decretação da prisão preventiva de dois grupos de traficantes responsáveis pela venda de drogas em diferentes localidades de São Francisco de Itabapoana, no Norte Fluminense. Foram denunciadas 13 pessoas, todos por tráfico de drogas e associação para o tráfico, em consequência da Operação Ilha dos Mineiros, deflagrada no dia 30 de maio de 2019.

Foram apresentadas duas denúncias, cada uma referente a um grupo específico. A investigação apurou que a primeira associação criminosa era liderada por Bruno Schwartz dos Santos e atuava no eixo norte da RJ-224, nas localidades de Pingo D’Água, Bom Jardim, Valão Seco, Ponto de Cacimbas, Morro Alegre. Leandro Schwartz dos Santos foi apontado como o gerente dessa associação. No dia 30 de maio, durante a operação Ilha dos Mineiros, Bruno Schwartz e Leandro tinham em depósito 48,2 gramas de maconha, seis telefones celulares, uma balança de precisão e um caderno de anotações com referência ao tráfico de drogas.

 

De acordo com a denúncia, o monitoramento por interceptações telefônicas permitiu identificar a função de cada integrante da organização, atuando em distintas funções como a de “endolação” de entorpecentes, segurança dos pontos de venda, transporte das drogas e gerenciamento do dinheiro arrecadado. Ainda segundo a denúncia, o fornecedor das drogas era Geremias da Silva Oliveira, vulto Gerê, que associou-se à facção de Bruno Schwartz, o Terceiro Comando Puro (TCP), para abastecer as localidades do eixo norte da RJ-224.

 

Os outros denunciados exercem papeis inferiores na estrutura da associação criminosa. As denúncias foram recebidas pelo Juízo da Vara Única de São Francisco de Itabapoana, e os réus vão responder por tráfico e associação para o tráfico.

Fonte: Coordenadoria de Comunicação do MPRJ

Print Friendly, PDF & Email

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.