Navegação anônima do Google não é anônima, diz processo nos EUA


O mecanismo de busca do Google segue coletando dados de usuários mesmo daqueles que utilizam a função navegação anônima de seu navegador, afirmou o procurador-geral do estado norte-americano do Texas, Ken Paxton, nesta quinta-feira (19). Ele apresentou um adendo a um processo aberto contra a companhia no início do ano.

 

Os estados norte-americanos do Texas, Indiana, Washington e o Distrito de Columbia entraram com ações separadas contra o Google em janeiro sobre o que chamaram de “práticas enganosas de rastreamento de localização que invadem a privacidade dos usuários.”

 

O encaminhamento de Paxton adiciona o modo de navegação anônima do Google ao processo aberto em janeiro. A navegação anônima, ou navegação privada, é uma função que Paxton disse que deveria implicar em um não rastreamento do histórico de pesquisa, atividade e localização do usuário pelo Google.

 

O processo diz que o Google oferece a opção de “navegação privada” que pode incluir “a visualização de sites altamente pessoais que podem indicar, por exemplo, histórico médico e orientação política ou sexual do usuário. Ou, talvez, o usuário queira comprar um presente para alguém sem que a pessoa descubra a surpresa ao ser bombardeada por anúncios direcionados.”

 

O processo afirma que “na realidade, o Google coleta secretamente uma série de dados pessoais, mesmo quando um usuário aciona o modo de navegação anônima.”

 

O Google não respondeu imediatamente a um pedido de comentário. Em janeiro, a empresa disse que “os casos são baseados em alegações imprecisas e afirmações desatualizadas sobre nossas configurações. Sempre incluímos recursos de privacidade em nossos produtos e fornecemos controles robustos para dados de localização.”

 

Paxton alegou anteriormente que o Google enganou os consumidores ao continuar rastreando a localização dos usuários mesmo quando eles tentavam impedir isso.

 

O Google oferece uma configuração de “histórico de localização” e informa aos usuários que se eles desativarem “os lugares que você vai não serão mais armazenados”, disse Texas.

 

Em janeiro, um juiz do Arizona decidiu que as alegações de que o Google enganou usuários com configurações de rastreamento de localização de smartphones pouco claras deveriam ser avaliadas por um júri e se recusou a descartar uma ação movida pelo procurador-geral do estado.

Print Friendly, PDF & Email

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

MENU