Álcool afeta funcionamento do corpo mesmo quando ingerido em pouca quantidade; entenda o impacto


Não existe um limite seguro de álcool no corpo para quem vai dirigir. Qualquer quantidade ingerida, por mínima que seja, diminui os reflexos e afeta as condições normais de direção. Além disso, o álcool diminui o tempo de reação, concentração e percepção.

 

O tempo de reação é o momento em que você detecta o obstáculo e pressiona o freio do carro. Na pessoa sóbria, esse tempo é de até um segundo. Quando ela está embriagada, pode subir para até dois segundos.

 

“O cérebro é todo atingido pela onda do nível de álcool, mas tem algumas regiões que são mais sensíveis, como o cerebelo, que é justamente o controle da parte de equilíbrio”, explica o neurologista Fernando Morgadinho.

 

O neurologista também aponta que outra região do cérebro afetada é a frontal, a região da decisão.

 

“Quando você decide se vai dar para ultrapassar o outro carro ou não, ela é importante. Se você somar uma decisão errada ou mal adequada com uma dificuldade de coordenação, você então tem um acidente com risco para você e para os outros”, analisa o especialista.

 

Como diferentes concentrações de álcool afetam a capacidade de direção?

 

Como a substância age no corpo e qual a diferença para homens e mulheres?
Karina Possa Abrahão, pesquisadora de neurociências da Unifesp que estuda os efeitos do álcool no cérebro, acrescenta que logo quando a substância é ingerida e passa pela mucosa da boca, do esôfago e do estômago, ela já começa a agir nos mais diversos órgãos do corpo e modificar as nossas células.

 

Mas isso não quer dizer que ele vai causar danos logo de cara.

 

“Tudo o que a gente come, até mesmo o açúcar vai modificar o nosso corpo”, explica a pesquisadora. “Várias substâncias são nocivas, mas o álcool causa mudanças no cérebro que levam o indivíduo a buscar aquela droga de novo, assim como as outras drogas de abuso”.

 

 

Segundo o Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos Estados Unidos, o NIAID, um padrão de intoxicação pesada para o álcool (chamado de padrão binge) é o equivalente a 4 doses ou mais para mulheres e 5 para os homens em duas horas.

 

Essa diferença, explica a especialista, ocorre porque o álcool fica muito concentrado na gordura do corpo.

 

E uma dose é o equivalente a uma lata de cerveja ou meia taça de vinho.

 

“Então, se a pessoa começa a ingerir nessa quantidade e nesse período, [o álcool] altera o cérebro, o comportamento, e se isso for algo recorrente, esse padrão binge pode alterar o cérebro de maneira persistente”, alerta Karina.

 

Ainda de acordo com o NIAID, em adolescentes, esse padrão de consumo é ainda mais preocupante porque pode afetar o desenvolvimento cerebral e causar déficits persistentes nas funções sociais, de atenção, memória e outras funções cognitivas.

 

De uma forma geral, ao longo do tempo o consumo excessivo contribui para problemas no fígado e outras doenças crônicas, bem como aumenta o risco de vários tipos de câncer, incluindo câncer de cabeça e pescoço, esôfago, fígado, mama e colorretal.

 

Concentração também varia de acordo com o peso corporal e conteúdo estomacal

Karina explica ainda que, em média, cada dose demora em duas horas para ser metabolizada pelo corpo e que a concentração de álcool no sangue varia de acordo com o peso corporal e até mesmo o conteúdo estomacal.

 

“Mas se você já bebeu bastante na sua vida, é capaz que você já tenha desenvolvido algumas enzimas para metabolizar [o álcool] um pouquinho mais rápido”, acrescenta.

Print Friendly, PDF & Email

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

MENU