Preso empresário suspeito de falsificar e distribuir produtos terapêuticos na Baixada Fluminense


A polícia prendeu nesta terça-feira (2) um empresário suspeito de falsificar e distribuir produtos terapêuticos adulterados na Baixada Fluminense. Uma fábrica clandestina apontada na investigação como o local onde eram produzidas as mercadorias foi interditada.

Conduzida por duas delegacias, a 60ª DP (Campos Elíseos) e a 64ªDP (São João de Meriti), a investigação chegou nesta terça a um galpão em Duque de Caxias, onde estavam armazenados os produtos falsificados.
Segundo informações da polícia, havia no local diversos suplementos terapêuticos e alimentícios como, por exemplo, produto para fígado, ômega 3, óleos de coco e cártamo, além de produtos à base de cremes, alguns deles embalados de forma inadequada para distribuição.

Os itens, de acordo com a polícia, não tinham qualquer autorização ou licença para serem comercializados.

Os agentes encontraram diversas garrafas de azeite, o que levou à suspeita de que o produto poderia ser utilizado em alguns dos itens oleosos. A validade de alguns produtos encontrados também estava remarcada.

O trabalho de inteligência das duas delegacias resultou na prisão de Arival Rosário Rangel, indicado como dono do galpão que fica no bairro Jardim Primavera, em Caxias. A ação também contou com o apoio de peritos criminais e agentes da Vigilância Sanitária do município.

Os investigadores afirmam que chegaram no momento em que um funcionário envasava os produtos que, depois, seriam distribuídos em farmácias do município.

A polícia informou que foram encontrados insumos e produtos fora da validade que eram utilizados na fabricação. Também haviam embalagens, rótulos e apetrechos como vasilhames, funis, balança e caixas para empacotamento.

Os investigadores seguem no caso para descobrir quais misturas eram realizadas e para quais farmácias os produtos eram distribuídos.

https://static.addtoany.com/menu/page.js

Print Friendly, PDF & Email

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.