Prefeitos da região já de olho em 2020


A eleição de 2016 no Norte Fluminense trouxe um cenário até então considerado atípico. A chamada “força da máquina” não conseguiu eleger seus candidatos em sete dos nove municípios da região.

 Parecia uma prévia do que aconteceria em 2018, quando houve rupturas, quebrando anos de continuidade de grupos no poder e os candidatos considerados não políticos conseguiram mandatos no Executivo — como é o caso do governador Wilson Witzel (PSC) — e renovaram boa parte das Assembleias Legislativos e da Câmara dos Deputados. E 2019, que mal começou, já começa a desenhar o futuro político para eleição de 2020. Inclusive já começam a ser especuladas as intenções de candidaturas para reeleição.

Para o cientista político Hamilton Garcia, os eleitores no ano que vem devem continuar penalizando oligarquias políticas, mas também não devem estar dispostos a perdoar as novidades que não estiverem correspondendo às expectativas.

— O eleitor continua procurando o governo representativo, onde o interesse da sociedade é maior do que a do político, e isto deve continuar impactando as máquinas oligárquicas especializadas na corrupção do voto, ao mesmo tempo que penaliza as novidades políticas de 2016 que frustraram as expectativas — avalia Garcia.

Dos nove prefeitos da região (como mostra o infográfico acima), seis estão, por ora, em condições de elegibilidade para o próximo pleito e dois não podem concorrer porque estão no segundo mandato consecutivo. Já a prefeita de São João da Barra, Carla Machado (PP), tem pendência em um processo eleitoral, originado da operação Machadada, que ainda será julgada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Em entrevista à Folha, o prefeito de Campos, Rafael Diniz (PPS), afirmou que pretende disputar a reeleição: “Assim como eu tive o direito de ser candidato a prefeito, e assim como serei candidato à reeleição, todo cidadão tem o direito de se candidatar. Faz parte do processo democrático”, respondeu ao prefeito ao falar sobre o número de pré-candidatos que já estão aparecendo no cenário eleitoral.

No caso de SJB, a decisão do TSE sobre a Machadada será essencial para definir o futuro cenário. Enquanto o julgamento não acontece, Carla já se colocou no jogo, após alguns opositores terem associado o bom desempenho de Witzel e Jair Bolsonaro (PSL) no município ao fato de a prefeita ter apoiado os adversários deles. “Essas palhaçadas só me animam para colocar meu nome na disputa novamente e agora estou repensando e acho que irei disputar a eleição de 2020 novamente”, escreveu Carla.

Por falar na eleição de Witzel, o atual governador obteve sucesso no pleito de 2018 com um discurso de “não político”. Para Hamilton Garcia, este não será o único diferencial da eleição de 2020: “O diferencial não é ‘político profissional’, mas político que encarna interesses sociais, o que pode beneficiar o ‘não político’, mas sem excluir o ‘político’. 

A reversão das expectativas é o objetivo do debate eleitoral: os mal avaliados pretendem a positivação, e os bem avaliados almejam a manutenção/ampliação de sua boa imagem. Tem eleição tranquila quem, já no governo, conseguir aliar a imagem de bom gestor à capacidade de fazer reformas em benefício de todos. A habilidade em usar as novas ferramentas de interação aumentam as chances em ambos os casos”.

https://static.addtoany.com/menu/page.js

Print Friendly, PDF & Email

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.