Lançamento do “site” Rede Produtiva Quilombola em SFI


      A Associação Rural de Mulheres Artesãs e Agricultores Quilombolas de Barrinha promoveu, na manhã desta quarta-feira (13), o lançamento do “site” Rede Produtiva Quilombola (www.redeprodutivaquilombola.org.br), na Câmara Municipal de São Francisco de Itabapoana (SFI). A prefeita Francimara Barbosa Lemos foi representada pelo subsecretário de Turismo, Indústria e Comércio, Erve Almeida, e o subsecretário do Trabalho, da Assistência e Promoção Social, Isaac Salvador. 

   Ao acessar a página, o internauta tem acesso a informações sobre a produção de 14 comunidades quilombolas das regiões Norte e Noroeste Fluminense e, se quiser, pode até mesmo adquirir produtos. O evento contou com a presença da coordenadora nacional de Comunidade Quilombola, Lucimara Muniz. Ela disse que o objetivo do endereço eletrônico é dar visibilidade à produção dessas comunidades, além de promover a compra. “O ‘site’, que já atingiu a marca de cinco mil acessos, é gerenciado pelos jovens quilombolas ligados aos mais de 80 produtores, que atingem direta e indiretamente cerca de 4.100 pessoas”, explicou. Segundo Lucimara, as localidades predominantemente quilombolas de SFI, Barrinha e Deserto Feliz, reúnem 12 comunidades, em um total de 22 produtores, além dos marisqueiros. 
   Entre a produção estão hortaliças, aroeira, feijão e aipim. Ainda de acordo com Lucimara, SFI se destaca pela produtividade artesanal sem o emprego de agrotóxicos e a valorização das tradições, “utilizando métodos de nossos ancestrais”. “É de suma importância este evento acontecer na Câmara Municipal. Isso mostra que o município está reconhecendo, de fato, suas comunidades quilombolas”, afirmou. 
    Durante o encontro foi exposto o trabalho de sete artesãs do município. O evento teve ainda as presenças do presidente da Câmara Municipal de SFI, vereador José Pinto Filho, e dos vereadores Luciano Coutinho, Alexandre Barrão e Zé Cherene. Ascom SFI
Print Friendly, PDF & Email

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.