Reintegração de posse de terras na área do Porto do Açu


       Na manhã desta terça-feira (13), policiais militares acompanhados de um oficial de Justiça cumpriram um mandado de reintegração de posse de duas propriedades rurais em de Água Preta, 5º Distrito de São João da Barra, na área do Porto do Açu. 

      O mandado foi expedido na data ontem (11/06) pelo juiz Leonardo Cajueiro d’Azevedo, da 2ª Vara da Comarca de São João da Barra. A área é administrada da Prumo Logística Global, responsável pelo Complexo Portuário do Açu. Dois ônibus e várias viaturas da Polícia Militar estiveram no local. No local foram encontrados gados e plantações de quiabo. 
     O proprietários dos animais informaram que os gados não serão retirados das terras. O agricultor Reginaldo Rodrigues diz ser dono de três alqueires de terra, porém a empresa tomou posse dessas terras e até o momento recebeu apenas um auxílio de dois salários mínimos. “Eu queria saber o que a gente faz com dois salários. Hoje eu não tenho terra para trabalhar, para produzir e dar comida para minha família”, disse Reginaldo, acrescentando ainda que em relação aos gados não tem para onde levá-los. 
     Outro agricultor e proprietário de gados, Clayton Barreto, disse que foi feito um acordo verbal entre a empresa e os agricultores autorizando a permanência dos animais nas terras. “Eu não entendo o motivo deles chegarem aqui de surpresa dizendo que vou ter que pagar multa de R$ 100 mil cada vez que eu invadir as terras, sendo que eu tenho autorização para isso”, disse Clayton. 
   Ele destacou ainda que desde 2015 foi combinado de ter reuniões para que chegassem a um acordo no que diz respeito aos gados e as indenizações, já que muitas pessoas foram prejudicadas com a reintegração de posse dessas terras. A Prumo Logística ainda não se manifestou sobre o caso.
Fonte: Campos24horas
Print Friendly, PDF & Email

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

MENU